Buscar
  • Forlac

Soro de leite na embalagem de queijos pode prolongar vida útil e manter o produto fresco


Os preços globais do queijo aumentaram pelo décimo mês consecutivo em agosto, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

A demanda de importação permaneceu estável, assim como as vendas, mas o encolhimento da oferta global de leite há muito coloca a questão de como produtores e distribuidores poderiam satisfazer uma forte demanda por lácteos.

Bem, no caso do queijo, a resposta para manter blocos de cheddar ou queijo de cabra macio nas prateleiras dos supermercados por mais tempo pode ser encontrada no soro de leite. Este subproduto de queijo tantas vezes descartado como resíduo durante a produção poderia ser utilizado na fabricação de embalagens ativas que podem aumentar a vida útil do queijo em até 50%.

O método promove a circularidade na embalagem e na produção de queijo, mas há mais – ingredientes ativos derivados da fermentação do soro de leite podem dobrar como aditivos probióticos para ração animal.

Lavado e reciclado

A descoberta foi feita por meio de pesquisas de revestimento funcional para embalagens de filmes plásticos realizadas pelo instituto tecnológico de plásticos AIMPLAS, que foi coordenador técnico; Universidade de Valência, que separou e estudou bactérias com potencial antifúngico para o projeto; federação de empresas agroalimentares FEDACOVA; La Cabezuela e Dehesa Dos Hermanas, duas empresas de queijo espanholas que avaliaram os requisitos de embalagem para queijo de cabra e ovelha, respectivamente.

Enquanto isso, criar esse novo tipo de embalagem também não é muito complexo, e o plástico que contém soro de leite permanece reciclável. “O revestimento ativo pode ser aplicado em qualquer tipo de embalagem aplicada por meio de tecnologias convencionais de impressão - flexografia e/ou rotogravura”, explica Alicia Naderpour, pesquisadora do departamento de embalagens AIMPLAS. “O revestimento não afeta a reciclabilidade da embalagem, pois é um revestimento à base de água, portanto, pode ser removido no processo de reciclagem, na etapa de lavagem.”

O problema é que o “whey” deve ser incluído como ingrediente no rótulo, de acordo com os regulamentos da Comissão Europeia para ingredientes ativos usados em embalagens de alimentos.

Mas quanta embalagem pode ser feita por meio desse processo? A resposta curta é “muitas”. “Calculamos que para imprimir 63.000 metros lineares de bobina com o revestimento ativo desenvolvido, é necessário 1kg de soro”, disse Naderpour.

Vida útil estendida

A pesquisa determinou que a vida útil pode ser aumentada entre 25% e 50%, e a diferença no desempenho varia de acordo com a existência de outros conservantes no próprio queijo. “O objetivo era estender a vida útil do queijo entre 25% e 50% de acordo com os ingredientes comumente usados na fabricação de queijo”, disse Naderpour. “Para os queijos fabricados com aditivos sintéticos, como conservantes, a vida útil será estendida em 25%, enquanto para os queijos que não contêm esse tipo de aditivo, o objetivo é prolongar sua vida útil em 50% por meio de embalagens ativas.”

Embora esta pesquisa tenha sido focada na criação de embalagens que prolongam a vida útil de queijos em particular, a metodologia pode ser aplicada para descobrir cepas antimicrobianas que podem ser usadas na embalagem de outros produtos lácteos e não lácteos. “Os testes de validação foram realizados contra a cepa fúngica que afeta principalmente o queijo - Penicillium”, confirmou Naderpour. “Então, para aplicar a tecnologia a outros tipos de produtos lácteos, devemos considerar o tipo de cepa fúngica que afeta principalmente os produtos lácteos e validar a atividade antifúngica da embalagem ativa contra esse tipo de cepa.”

Naturalmente, os queijeiros sem laticínios não podem se beneficiar desse tipo de embalagem contendo soro, mas Naderpour diz que a porta está aberta se houver demanda. “Poderíamos trabalhar com esse mercado tentando encontrar outro tipo de resíduo que é gerado na indústria alimentícia e com potencial atividade antifúngica”, disse ela.

A AIMPLAS obteve recentemente uma embalagem protótipo e está atualmente trabalhando para expandi-la em escala. “Estamos realizando testes de validação nos protótipos de embalagens ativas obtidos”, concluiu Naderpour. “O próximo passo seria otimizar o processo em escala industrial, o que pode levar aproximadamente três meses.”

As informações são do Dairy Reporter, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint.

Fonte da foto: Freepik

19 visualizações0 comentário