Buscar
  • Forlac

China busca aproveitar o mercado de leite, mas não tem vacas suficientes


A China passou a desejar leite. A demanda que vinha crescendo constantemente aumentou ainda mais depois que os médicos anunciaram seus benefícios à saúde em meio à pandemia da Covid-19 e as empresas de laticínios em todo o país embarcaram em um frenesi de construção de fazendas.

Mas matar essa sede será problemático, até porque encontrar milhões de vacas a mais, necessárias para fazendas novas e ampliadas planejadas, será um desafio.

A China é o terceiro maior produtor de leite do mundo, mas a produção de 34 milhões de toneladas do ano passado atendeu apenas cerca de 70% das necessidades domésticas. Para complicar as coisas, os custos da alimentação atingem níveis máximos em vários anos, enquanto a terra e a água também são escassas, tornando o país um lugar caro para a produção de leite.

Estimulado por altas quase recordes nos preços do leite cru e subsídios do governo, pouco mais de 200 novos projetos de fazendas leiteira na China foram anunciados no ano passado, de acordo com a consultoria Beijing Orient Dairy.

Sua análise mostra que 60% dos novos projetos visam a mais de 10.000 vacas e, no total, os planos preveem cerca de 2,5 milhões de vacas - cerca de metade do atual rebanho leiteiro da China - a serem adicionadas nos próximos anos.

Diante disso, o mercado de lácteos da China, com vendas anuais de cerca de US $ 62 bilhões, está pronto para ser desenvolvido. O governo tem promovido fortemente o leite e seus benefícios - em parte para apoiar a indústria de laticínios — aumentando o consumo. Mesmo assim, a ingestão anual per capita é de apenas 6,8 litros, em comparação com 50 litros nos Estados Unidos, de acordo com a Euromonitor International.

"O consumo médio per capita ainda é muito baixo", disse à Reuters Gao Lina, CEO da China Modern Dairy Holdings Ltd. "O potencial é enorme." Ela disse que os chineses, especialmente as crianças, começaram a comer mais queijo, o que aumentará ainda mais a demanda. Um quilo de queijo geralmente requer 10 quilos de leite para ser feito.

No entanto, o leite na China ainda é considerado especial o suficiente para ser um presente popular. O leite fresco custa cerca de US $ 2 o litro, quase o dobro dos preços do Reino Unido e dos EUA, enquanto as embalagens mais comuns de 240 ml de leite UHT em temperatura ambiente custam cerca de 40 centavos.

A demanda por leite fresco resfriado especialmente, que constitui apenas um quinto das vendas de leite na China, apresentou rápido crescimento, subindo 21% nos primeiros 11 meses de 2020 contra 10,9% para leite em temperatura ambiente, de acordo com dados da Nielsen.

Para atender a essa demanda, as grandes empresas precisarão desenvolver mais fontes de leite cru perto dos centros populacionais mais ricos, dizem os analistas. Entre as empresas que traçam grandes planos estão a Modern Dairy, que quer dobrar seu rebanho nos próximos cinco anos para 500.000, comprando empresas agrícolas menores e construindo novas fazendas.

A processadora Bright Dairy and Food Co Ltd, sediada em Xangai, pretende construir mais quatro fazendas para adicionar 31.000 vacas ao seu rebanho de 66.000. A China Youran Dairy está planejando um IPO, buscando até US$ 800 milhões para expandir seu rebanho reprodutor e aumentar a produção de leite.

De acordo com a Beijing Orient Dairy, novas fazendas chinesas que precisam de um total de 1,35 milhão de vacas já estão em construção, mas algumas delas terão que ficar vazias.

Ele estima que nos próximos dois anos, o rebanho doméstico da China irá gerar cerca de 500.000 novas novilhas, enquanto as importações podem chegar a cerca de 400.000 se o ritmo das importações permanecer o mesmo do ano passado, quando a China importou quase 200.000 novilhas, principalmente da Austrália e Nova Zelândia.

Importar novilhas é a maneira mais rápida de criar um rebanho em uma nova fazenda, reduzindo em cerca de um ano o tempo que levaria para criar o rebanho no mercado doméstico. As importações também são preferidas porque o gado está livre das muitas doenças que circulam no rebanho da China.

Mas obscurecendo essa perspectiva foi a decisão da Nova Zelândia em abril de interromper as exportações de gado vivo em dois anos devido a preocupações sobre o bem-estar do gado em navios por longos períodos.

"Fomos inundados com pesquisas, especialmente porque a Nova Zelândia interrompeu o comércio", disse um exportador de gado australiano que não quis ser identificado, acrescentando que a crescente demanda da China está incentivando os criadores de gado a gastar mais na criação.

Chile e Uruguai também exportam pequenos volumes, mas o tempo de embarque é o dobro e as raças utilizadas produzem menos leite, o que as torna opções menos atraentes.

Brasil, Estados Unidos e países europeus podem se tornar boas fontes de gado reprodutor, disse Dou Ming, economista-chefe da Beijing Orient Dairy. "Se apenas adicionarmos mais dois países para importação, ficaremos bem", disse ele.

A China e os Estados Unidos se comprometeram a iniciar negociações sobre as importações de gado reprodutor dentro de um mês após o acordo comercial de Fase 1 assinado em janeiro de 2020, mas ainda não está claro se as discussões já começaram. O escritório do Representante de Comércio dos EUA, Ministério do Comércio e Administração Geral das Alfândegas da China não respondeu aos pedidos para comentar.

Os custos da ração, no entanto, apresentam outro impedimento, dizem analistas e fontes da indústria, já que novilhas importadas levam tempo antes de se tornarem vacas leiteiras.

Os preços do milho estão em níveis recordes, enquanto o feno/pasto também deve ficar mais caro, uma vez que compete por acres com o milho, disse Grant Beadles, gerente para a China da Land O Lakes, que fornece ração e sementes forrageiras para o mercado.

As informações são da Reuters, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint.

5 visualizações0 comentário