Buscar
  • Forlac

Produtores de leite no mundo todo estão com expectativas positivas para 2021


Após um 2020 desafiador, a perspectiva global para o setor de lácteos é otimista, graças aos fortes preços das commodities, crescimento econômico previsto em muitas regiões e melhoria do sentimento do consumidor, de acordo com o especialista em agronegócios Rabobank.


Em seu Global Dairy Quarterly Q4 2020: To new beginnings, publicado no final do ano passado, o banco disse que o crescimento da produção global de leite deverá, no entanto, ser moderado em 2021 após um forte crescimento em 2020, com previsão de crescimento de cerca de 2,7 bilhões de litros de leite equivalente em comparação com 4,5 bilhões de litros em 2020.


O analista de lácteos do Rabobank, Michael Harvey, disse que o crescimento da produção de leite entre os 7 grandes exportadores de lácteos globais (Nova Zelândia, Brasil, Argentina, Uruguai, UE, EUA e Austrália) surpreendeu em 2020 – crescimento em equivalente de leite líquido (LME) em seu nível mais alto desde 2017 – mas o crescimento da oferta agora desaceleraria em todas as regiões exportadoras.


A UE e a América do Sul devem ter as maiores desacelerações no próximo ano, com a produção na Oceania devendo se manter estável, disse ele.


À medida que a produção sazonal desacelera no hemisfério norte, Harvey disse que as projeções de demanda parecem permanecer estáveis ??- e que o fortalecimento do desempenho do varejo com o COVID-19 apoiaria ainda mais os preços das commodities. Os preços das commodities permanecem em níveis mais altos após uma recuperação nos últimos meses, e esperamos que esses preços permaneçam em 2020, disse Harvey.


Na Europa e nos EUA, os estoques de lácteos estão agora chegando aos canais comerciais, o que é uma notícia positiva para os preços.


O relatório afirma que, globalmente, vários fatores impactarão positivamente o sentimento do consumidor nos principais mercados de lácteos em 2021, incluindo os estados avançados de várias vacinas contra o COVID-19, menos incerteza política após a eleição nos EUA e previsão de crescimento econômico na maioria das regiões.


Austrália


A produção de leite cresceu em todas as regiões australianas, exceto Queensland, disse o relatório.


Embora a temporada tenha passado de seu pico em outubro, o Rabobank cortou levemente a previsão de crescimento da produção para o ano inteiro, esperando que o crescimento permaneça em 2 por cento e alcance 8,95 bilhões de litros.


Com condições climáticas favoráveis ??e preços mais baratos de ração após a recente safra abundante de grãos, Harvey disse que os produtores de leite australianos estão bem posicionados para ter estações consecutivas de lucratividade na produção de leite.


Assim, o último Rabobank Rural Confidence Survey, divulgado em dezembro, relatou um forte aumento nos níveis de confiança dos produtores de leite australianos e uma melhora nas intenções de investimento.


O limitado rebanho leiteiro nacional continua sendo uma restrição ao crescimento da produção de leite, com os preços das vacas de descarte ainda elevados. Os abates têm diminuído recentemente, mas o país está vindo de um extenso período de altas taxas de abate durante a seca, de forma que a reconstrução do rebanho – e a produção máxima – levará um tempo, de acordo com Harvey.


E embora o mercado doméstico de lácteos continue tendo um bom desempenho e a economia australiana esteja bem posicionada para administrar os impactos da pandemia de COVID-19 e sua reabertura, o crescimento da oferta de leite está ultrapassando a demanda doméstica total de lácteos – com o excedente exportável da Austrália devendo se expandir durante o resto da temporada 2020/21.


Importações chinesas


O relatório diz que as importações de lácteos chinesas devem diminuir em 2021, com a produção de leite na China projetada para aumentar a um ritmo forte de cerca de 6% com relação ao ano anterior até o início de 2021, aumentando para 6,5% no segundo semestre do ano.


Isso se baseia em grande parte no impulso de curto prazo das fortes exportações de novilha da Oceania para a China. Entretanto, o crescimento da produção em longo prazo dependerá dos investimentos contínuos no setor de lácteos com base na maior lucratividade, disse Harvey.


Enquanto isso, os estoques de lácteos chineses se acumularam durante o segundo semestre de 2020, e as importações da leite fluido equivalente devem ter uma queda de dois dígitos em 2021. O Rabobank mantém uma previsão de crescimento da demanda de 9% no primeiro semestre do novo ano, desacelerando para cerca de 3% ano a ano no segundo semestre de 2021.


A alta produção de leite e o crescimento moderado da demanda sugerem importações mais fracas de lácteos em 2021, e os estoques domésticos mais altos na China também podem limitar o comércio, disse Harvey.


Desafios potenciais em 2021


A recuperação econômica e o impacto de menos intervenção governamental determinarão a força da demanda global de lácteos até o início de 2021 – com os governos de todo o mundo inevitavelmente tendo que reduzir as compras de lácteos e também os pagamentos em dinheiro para apoiar os consumidores, disse o relatório.


Um dos principais motivos para a forte demanda e o comércio saudável de lácteos durante a pandemia foi a ação governamental em muitos países durante 2020; no entanto, uma recuperação econômica apoiada por uma vacina contra COVID-19 ajudaria a impulsionar a demanda nesses países vulneráveis, disse Harvey.


Os impactos da segunda onda da Covid-19 e o lockdown na Europa e nos EUA podem ter um efeito significativo na demanda de serviços de alimentação no primeiro trimestre de 2021, se forem estendidos. No entanto, as vendas no varejo devem se fortalecer ainda mais à medida que mais refeições são consumidas em casa.


O relatório também alertou que o La Niña no hemisfério sul – embora trazendo o potencial para fortalecer a temporada australiana – já está causando seca no sul do Brasil e na Argentina, e a gravidade do evento pode impactar a produção de lácteos.


Fonte Milk Point


21 visualizações0 comentário