Buscar
  • Fischer Comunicação

Pesquisadores da UFG desenvolvem sensor que identifica presença de adulterantes em leite


Pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) desenvolveram um sensor de baixo custo que consegue identificar a presença de adulterantes em amostras de leite. O projeto conquistou o 1º lugar da premiação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) de Goiás.


Desenvolvido pela mestranda em química analítica da UFG Bárbara Guerra Guinati, de 24 anos, com o apoio do coordenador Wendell Coltro e dos coorientadores Lucas Rodrigues de Sousa e Karolyne Almeida Oliveira, o dispositivo verifica, por meio da colorimetria e mistura de reagentes específicos, se determinada amostra tem adulterante e em qual quantidade.


Segundo Bárbara, o sensor tem zonas de detecção. O reagente é adicionado à amostra de leite e, se houver a presença de um adulterante, o líquido muda de cor. “Dá para saber qual adulterante está presente e qual quantidade, com isso, temos o resultado qualitativo e quantitativo”, explica.


Adulterantes encontrados – De acordo com a mestranda, entre as amostras analisadas, foram detectados neutralizantes, peróxido de hidrogênio – uma espécie de bactericida – e até mesmo ureia, que costuma ser adicionada para aumentar a quantidade de proteína total. Segundo Guinati, a adulteração ocorre com a adição de água para aumentar o rendimento e até adição de produtos químicos para aumentar a vida útil do produto.


Ao todo, foram analisadas 16 amostras de leite, tanto de pequenos produtores quanto de produtos fabricados por grandes indústrias. O projeto vem sendo desenvolvido há cerca de três anos. Ainda há mais pesquisas a serem realizadas. Segundo Guinati, após a conclusão, a equipe deve buscar aprimorar o sensor para uso e patenteá-lo.


Fonte Guialat

6 visualizações0 comentário

Vendas e informações

11 2730 0522

  • LinkedIn - círculo cinza
  • Instagram - Cinza Círculo
  • Facebook - círculo cinza

Quero expor

MAPA DO SITE