Buscar
  • Forlac

Pesquisa aponta Laticínios Monte Celeste como o maior fabricante de QMF do Brasil


Quando falamos em Minas Gerais é quase impossível não mencionar o queijo e as deliciosas receitas que podem ser feitas com ele, seja em lanches, junto com os mais variados tipos de pães ou mesmo sozinho acompanhado de um bom café. Presente na vida e nas mesas de muitos brasileiros, o Queijo Minas Frescal tem o seu destaque, sendo admirado por ser nutritivo, saudável, levemente macio e possuir um sabor incomparável.

Produzido por pequenos negócios familiares e também fabricado em larga escala, por indústrias equipadas com maquinários de alta tecnologia, o produto vem ocupando seu lugar no mercado, sendo um dos queijos mais consumidos no Brasil.

Conforme a pesquisa feita pela Data Mark em 2021/2022, entre tantos outros fabricantes industriais, o Laticínios Monte Celeste aparece hoje como o maior fabricante de Queijo Minas Frescal do Brasil.

Fundada em 1999, a empresa está localizada no Distrito de Monte Celeste pertencente ao município de São Geraldo/MG.

Com o gradativo aumento do mercado consumidor deste seu principal produto, a Empresa investiu na produção de um novo mix de produtos, tais como Requeijão, Manteiga, Ricota, Mussarela e Queijo Fresco, estando em constante crescimento e aperfeiçoamento de seus processos, preocupando-se, cada vez mais, com a satisfação de seus clientes e parceiros, destacando-se, é claro, os produtores de leite.

Com uma Equipe de aproximadamente 300 colaboradores, e com as marcas Monteminas, Juliana, Estrela de Minas, Sol de Minas, Nata Real e Dumont, tem como maiores clientes os mercados de RJ e SP, onde as grandes Redes de Supermercados se destacam, fomentando ainda os Estado de MG, ampliando sua distribuição de produtos e novos mercados, aproveitando a diversificação que os mesmos oferecem.

O queijo Minas Frescal é fabricado por um processo extremamente delicado, onde o cuidado vai desde a obtenção do leite até ao consumidor final. O processamento exige atenção e cuidado ao corte dos grãos, à mexedura e a enformagem. O queijo não é prensado, a junção dos grãos ocorre pela ação da gravidade, o que faz com que sua textura seja macia, suculenta e com presença de soro, que, ao contrário do que muitos imaginam, não indica má qualidade, sendo assim, através de um processo natural, o responsável pelo frescor e o sabor do produto, além de ser altamente rico em proteínas.

O processo de salga pode ocorrer diretamente na massa antes da enformagem, por cima do queijo depois dele pronto ou por submersão em salmoura, sendo este último, o mais utilizado.

A cadeia do frio é um dos principais desafios das indústrias que trabalham com esse tipo de produto, pois considerando que o Minas Frescal é um queijo de muita alta umidade, a manutenção deste frio é essencial para que suas características físicas e sensoriais sejam mantidas.

Por ser tratar de um produto altamente perecível e delicado, todas empresas que se aventuram neste ramo possuem rigorosos padrões de qualidade além de uma estrutura bem específica e focada neste tipo de alimento, garantindo assim, qualidade satisfação para os clientes.

Fonte: Assessoria de Imprensa Laticínios Monte Celeste.

19 visualizações0 comentário