Buscar
  • Forlac

Mercado de lácteos do Brasil teve evolução semelhante ao internacional


Entre 2015 e 2019, os preços reais ao produtor no mercado mundial (convertidos do Dólar para o Real e deflacionados) se mantiveram entre R$1,31 e R$ 1,64/L de leite, com média de R$ 1,40/L. Movimento similar ocorreu no Brasil, apenas com média um pouco maior, de R$ 1,58/L.

A Figura 1 ilustra a evolução dos preços mensais líquidos reais (média Brasil do CEPEA), de janeiro de 2019 a setembro de 2022, corrigidos pelo IPCA de setembro. Observa-se importante valorização nos preços nacionais e internacionais ao longo dos últimos três anos.

Este fato foi, em boa medida, decorrente da pandemia da Covid-19, especialmente do segundo semestre de 2020 até 2021, e dos efeitos da guerra da Rússia desde o início de 2022.

Em 2020, a média de preços no Brasil foi de R$ 2,04/L, igual à mundial, de R$ 2,03/L. De modo similar em 2021, quando a média mundial foi de R$ 2,43/L, e do Brasil R$ 2,36/L. Ao longo do primeiro semestre de 2022 os preços do leite ao produtor no Brasil registraram aumentos mais acentuados devido ao período de entressafra e por uma redução histórica na oferta de leite, que caiu 9,1% no primeiro semestre.

O pico dos preços ocorreu no mês de agosto de 2022, com valor 63% maior em relação ao mês de janeiro daquele ano. Em setembro de 2022, o preço do leite brasileiro teve queda de 14%. Ainda assim, esteve 28% acima da referência mundial adotada. Duas causas principais podem ser consideradas: (1) entrada no período de safra, momento em que há um aumento da oferta de leite; e (2) um aumento atípico no volume de importações de lácteos, equivalente à 10% da produção nacional de leite.

Em termos de custo de produção, tomando-se como referência o custo da mistura 70% milho e 30% farelo de soja, os valores reais médios de 2022 para o mercado internacional e para o Brasil foram similares de R$ 1,93/kg e R$1,94/kg, respectivamente. Neste caso, ressalta-se que houve uma alta acentuada nos custos de produção após meados de 2020 e que segue incomodando o pecuarista. Com base nos nove meses de 2022, tanto no Brasil quanto no mercado internacional, os custos da mistura 70+30 foram 30% maiores em relação a 2021.

Em termos da oferta, no âmbito mundial a expectativa de crescimento zero em 2022. Para o Brasil a expectativa, de acordo com as estatísticas disponíveis do leite captado é de uma queda na produção de 6% em relação a 2021.

No mercado atacadista, os preços dos principais derivados lácteos começaram a cair no final de julho. Até o início de outubro, houve um recuo próximo de 30% para o leite UHT e para o queijo mussarela.

Para o consumidor, o impacto de queda de preços geralmente chega um pouco mais tarde. Os preços do leite UHT tiveram aumentos ao longo do primeiro semestre com pico em julho, equivalente a 75% no acumulado do ano. De julho até setembro houve um recuo de 21%. Dessa forma, ainda há espaço para novos recuos nos preços ao consumidor, já que a desaceleração no atacado e no produtor foram mais acentuadas.

A produção de leite tem movimento crescente até dezembro, quando se chega ao pico da safra. Por outro lado, espera-se também alguma retomada do consumo. Os indicadores macroeconômicos de emprego e renda estão melhores, a inflação mais controlada, os preços dos derivados lácteos mais baixos no varejo e os suportes financeiros do Governo Federal às famílias de baixa renda são alguns dos estímulos a demanda. Isso tende a colocar algum piso nas cotações, inibindo novas quedas acentuadas, até porque, conforme mencionado, o custo segue elevado.

As informações são do CILeite.

7 visualizações0 comentário