Buscar
  • Fischer Comunicação

Embalagens de laticínios valorizam segurança alimentar e sofisticação no ponto de venda


Em recente visita à Santa Catarina, encontramos produtos bem interessantes e com embalagens que atendem as tendências mundiais de consumo: conveniência, sofisticação, segurança, saúde e sustentabilidade. Estivemos em alguns supermercados de São José e Florianópolis. No Angeloni, toda a linha de produtos fatiados já é embalada em embalagens termoformadas lacradas. Os produtos são preparados numa central de manuseio, o que garante segurança alimentar. A preocupação com saúde é cada vez maior, e produtos com garantia de procedência e com evidencia de violação se houver, ganham pontos. As embalagens com janelas permitem aos consumidores conferirem o frescor dos produtos. A selagem da termoformação é muito bem aplicada e o design da linha bem resolvido. Assim, reunindo segurança, aspectos de saúde, boa apresentação (sofisticação) e conveniência, a linha de frios está ganhando espaço, com muito sucesso, a considerar pela exposição e variedade. Na categoria de iogurte para beber chamou a atenção a embalagem da Letti. O frasco transparente (um dos primeiros da categoria) mostra a cor do produto, distinguindo os sabores. Além disso, a marca divulga que o produto é produzido em fazendas próprias com vacas A2A2. O contorno em tom verde suave em ondas remete à leveza do produto desnatado. A ilustração hiper-realista no centro do frasco no mesmo tom de verde completa a obra. No verso, a rotulagem destaca que a embalagem é 100% reciclável. Aqui ficaram evidentes as preocupações com saúde, sofisticação (apresentação) e sustentabilidade. A embalagem do queijo meia cura da Fazenda Mutuca saltou aos olhos no ponto de venda. O queijo, vendido em pedaços, explorou a questão do “artesanal” com muita “arte” e bastante cuidado com a apresentação. Primeiro, o produto é embalado a vácuo numa embalagem termoshrink bem acabada. Na sequência, o produto é envolvido num saco-redinha, que remete à redinha usada antigamente para embalar frutas, especialmente, as laranjas. Só este detalhe já leva o consumidor a uma viagem aos bons velhos tempos. A embalagem do queijo meia cura da Fazenda Mutuca ainda traz uma etiqueta em papel kraft amarrada com uma corda. No verso da etiqueta, a marca conta a história do queijo e da Fazenda, chance de comunicar e engajar os consumidores e torná-los fãs. Na impressão da embalagem primária, a palavra ARTE foi destacada com um selo, agregando valor ao conjunto. Neste caso, a marca se preocupou com a segurança alimentar dos consumidores ao escolher uma embalagem a vácuo para o queijo, mas sem esquecer de destacar o produto no ponto de venda com acabamentos sofisticados. O conjunto ficou sensacional. Parabéns! Embalagem melhor. Mundo Melhor.


0 visualização