Buscar
  • Forlac

DEMANDA MUNDIAL DE LÁCTEOS CONTINUARÁ CRESCENDO


Essa demanda será alavancada especialmente pelas nações mais populosas do mundo, com destaque para os países asiáticos, os quais devem melhorar seu poder de compra.

Por Airton Vanderlinde* – Vivemos num planeta onde a demanda e o acesso a alimentos, de maneira segura e sustentável, cresce vertiginosamente. Apesar da taxa de natalidade mundial estar diminuindo, de acordo com levantamentos da ONU e FAO, a população mundial deve atingir ainda neste ano 8 bilhões de pessoas, podendo alcançar 10 bilhões de habitantes em 2050, o que aumentará a necessidade de produção global de alimentos entre 61% a 71% nos próximos 30 anos.

Essa demanda será alavancada especialmente pelas nações mais populosas do mundo, com destaque para os países asiáticos, os quais devem melhorar seu poder de compra, impactando diretamente no aumento do consumo de proteína animal, onde o leite e seus derivados estão inseridos.

Análises realizadas pelo instituto IFCN demonstram que entre 2020 e 2050 o consumo de leite per capita no mundo deve crescer em média 19%, aumentando a demanda global de lácteos em 51% (4,5 vezes a produção de leite atual dos EUA), o que representaria um déficit global de 22 mil toneladas de leite equivalente. Atrelado a isso, devido especialmente a questões climáticas e socioambientais, o número de fazendas ao redor do mundo deve reduzir em 61% até lá, com uma redução de 21% no número de vacas e um aumento aproximado de 88% na produtividade.


Diante deste cenário, vislumbramos uma oportunidade enorme para o Brasil aumentar sua participação e relevância no mercado mundial de lácteos. Produzimos cerca de 36 bilhões de litros/ano, ainda exportamos muito pouco, e temos a grande missão de tornar consistentemente nossa balança comercial superavitária. Quando avaliamos nosso mercado interno, responsável por absorver grande parte de nossa produção, apesar de todos os desafios sociais que ainda enfrentamos, o consumo de leite e derivados deverá continuar aumentando. Há uma tendência forte de evoluirmos economicamente e, além disso, nossa população continuará crescendo.

Nesse contexto, faz-se necessário a adoção de políticas de apoio ao setor para estimular a produção no campo, o consumo interno e o aumento das exportações. Precisamos investir fortemente em adequações logísticas, melhorar a produtividade, qualidade do leite e sanidade dos rebanhos e agregar mais valor aos produtos lácteos. Somente com o aumento da eficiência, em todos os elos da cadeia produtiva do leite, conseguiremos continuar crescendo de maneira competitiva e sustentável.

*Médico veterinário, consultor técnico de Bovinos de Leite na Cargill/Nutron e presidente da Comissão Científica do Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite.

Fonte: EdairyNews


3 visualizações0 comentário