Buscar
  • Forlac

É possível conciliar qualidade e produtividade nos laticínios?


Muitas pessoas pensam: "ou eu trabalho com qualidade, ou trabalho com produtividade", principalmente em momentos de crises ou cortes financeiros nas empresas. Nestes casos, sempre o primeiro ponto que sofre danos é a qualidade, pois ainda acreditamos que esta é um custo.

Esta teoria de que não podemos atuar com qualidade e produtividade, principalmente em laticínios, é ainda um tema de discussão.


“Preciso ser mais produtivo (a) e reduzir meus custos operacionais: o que devo fazer?”

A primeira coisa que precisamos colocar em nossa lista é manter a qualidade dos nossos produtos e processos e fazer que todos na empresa consigam fixar essa mesma prioridade. Após ter esta cultura de qualidade sendo realmente vivida pelas pessoas de todos os níveis hierárquicos, é possível atuarmos com qualidade e produtividade na empresa.

Exemplos de aumento de produtividade com qualidade

· Melhoria no tempo de Clean In Place (CIP) e Clean out of Place (COP)

Melhoria dos equipamentos com validação de eficácia dos resultados. É possível conseguir reduzir os tempos de limpeza nos processos produtivos mantendo a qualidade e a segurança dos produtos, com bons produtos de higienização e métodos que validem a eficácia dessas atividades.

· Redução de contaminações microbiológicas

É possível a partir do cumprimento fiel dos procedimentos operacionais. Contaminação microbiológica em indústria alimentícia sempre será prejuízo e quase 100% associada a falhas operacionais, sejam elas por não cumprimento de um procedimento ou por um projeto mal executado.

· Redução de gastos com reclamações de clientes

Pode ser realizado por meio de boas práticas de fabricação e padronização dos processos. Muitas vezes, a empresa não mensura os gastos e o quão improdutivo é o processo quando precisa trocar um produto com problemas quando este já chegou ao cliente/consumidor.

· Redução de variação nos processos

Isto consequentemente também promove a redução de gastos operacionais por meio da padronização dos processos. Quanto mais padronizado o processo, mais produtivo e menor custo operacional se tem nas fábricas.

· Redução do Custo da Não Qualidade

É realizada por meio da implantação do sistema de qualidade e de melhoria contínua nas fábricas (CNQ é um dos grandes vilões invisíveis nas indústrias, iremos abordar esse tema nos próximos artigos).

· Redução de perdas de tempos no processo

É feita por meio do uso de ferramentas de qualidade, procedimentos e treinamentos à operação. Pode-se trabalhar de forma mais rápida e sem perda de tempo, desde que a operação esteja habilitada para tal performance.

· Melhoria nos rendimentos dos produtos

Se dá pela melhoria da qualidade do leite e cumprimento fiel dos procedimentos e boas práticas operacionais. Um dos melhores exemplos de qualidade e produtividade está nesse item. É certo que, quanto mais a qualidade está impregnada na empresa – desde a matéria-prima até a entrega do produto – melhor seu rendimento, menor seu custo e melhor a qualidade do seu produto.

Estes são alguns entre muitos outros exemplos, nos quais poderíamos abordar de forma mais profunda e demonstrar o quanto a qualidade pode e deve ser usada para a melhoria da produtividade dos processos industriais.

Outro ponto tão importante quanto os mencionados acima é a empatia entre os membros das áreas industrial e qualidade que – apesar de muitas vezes parecerem ter objetivos diferentes e serem cobrados de entregas distintas – precisam SEMPRE atuar em parceria, compreender as dificuldades, agir com empatia e construir propósitos em comum para ambas as áreas.

A área de qualidade precisa conhecer profundamente o processo industrial, assim como o industrial precisa ser um agente de qualidade na indústria. Desta forma, a empatia sempre prevalecerá e soluções conjuntas nortearão as entregas de resultados de altíssima qualidade.

Um resumo de tudo que falamos até aqui, em uma única palavra: pessoas. São elas quem trarão o resultado para a empresa, logo, o primeiro passo para se atuar com qualidade e produtividade é o investimento no desenvolvimento da equipe, tanto nos requisitos técnicos, quanto nos comportamentais.

Este último é o mais importante para as organizações, pois, muitas vezes, o comportamento do colaborador pode colocar em risco toda a harmonia do time. E sabemos que, dentro da organização, existe apenas um time, que, se desestabilizado, pode comprometer todo o resultado.

Enfim, encerro esse artigo dizendo que é possível conciliar qualidade e produtividade nas empresas, mas isto requer um trabalho de gestão de pessoas e processos e um propósito que todos na empresa devem ter. Exploraremos nos próximos artigos alguns exemplos mencionados aqui.

*Fonte da foto do artigo: Freepik

Fonte: Milk Point

9 visualizações0 comentário